terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O LOUVOR QUE FAZ A DIFERENÇA




Marcos 14:26
26 – E, tendo cantado o hino, saíram para o monte das Oliveiras.

Habacuque 3:17,18
17 – Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas,
18 – Todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação.


Palavra Introdutória:

Não é de causar admiração o fato de Jesus ter cantado durante aquela ceia pascal (Mc 14:26), o sublime é constatar o momento que abriu seus lábios para cantar. Em tempo de angústia e dor Jesus cantou. Como bem dizia o querido pastor José Pimentel de Carvalho: Jesus cantou ‘a sombra da Cruz.
No mundo temos aflições (Jo 16:33), mas o bom animo advindo do Senhor nos faz cantar, mesmo nas maiores provas e dificuldades.
A história da Igreja em todos esses séculos, sempre mostrou que, os mais belos hinos e poesias foram escritos em tribulação.


1. CARACTERÍSTICAS DO LOUVOR DE JESUS

1.1 Um louvor a Deus


A palavra grega que aparece em Mateus 26:30 e Marcos 14:26, é a palavra himneo, que signfica: cantar um hino ou cantar louvores. É a mesma palavra que aparece em Atos 16:25, quando Paulo e Silas na prisão em Filipos, a despeito de grande aflição, oravam e cantavam a Deus.
O cenário evangélico, não só no Brasil, mas em todo o mundo, sobeja de farta música gospel. O avanço de recursos fonográficos, a multiplicidade de grupos e cantores de todo o genero, dispõe diante de nossos ouvidos, música evangélica para todo gosto. Em meio a tudo isto, algo preocupante está ocorrendo: As músicas entoadas nos templos, tem hoje, mais uma direção horizontal do que vertical. Em outras palavras, se canta mais para o povo do que para Deus. 
Que o nosso louvor seja unicamente para Deus (Sl 148:1-14)

1.2 Um louvor coletivo

Jesus não louvou a Deus sozinho, mas com seus amados discípulos. Aquela memorável ceia, cheia de plena graça e solenidade, foi marcada pelo mais lindo dos corais, cujo regente e o cantor principal foi nosso amado Salvador Jesus.
Ex 15:1 Então, cantou Moisés e os filhos de Israel...
Jz 5:1 E cantou Débora e Baraque...
At 16:25 Perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam...
O cantico da Salvação jamais será entoado apenas em solo; mas, em muitas vozes. Pois, salvos pelo Sangue, de toda tribo, língua e nação, temos o grande coral da eternidade, que entoa: Digno é o Cordeiro! (Ap 5:8,9)
Em que pese a difícil realidade vivida hoje no meio evangélico com respeito a cantores e grupos musicais, onde promoção pessoal e estrelismo é o supremo alvo; continuamos a crer, que ninguém canta melhor do que a Igreja do Senhor. (Sl 150:1-6)
Outra lição que podemos tomar, é que devemos estimular outros, a louvarem conosco ao Senhor por suas maravilhas. Quer seja em nosso lar, em nosso ambiente de trabalho, em nossa congregação.

1.3 Um louvor na aflição

Sem dúvida, é muito fácil abrir os lábios e cantar louvores quando tudo vai bem. 
Jesus sabia que dentro de algumas horas, seria torturado e morto; mesmo assim louvou a Deus:
Sabia que sua morte estava próxima, mas louvou a Deus (Mt 26:18)
Sabia que Judas iria traí-lo, mas louvou a Deus (Mt 26:20,21). Alguns atrás, um querido amigo, pastor há mais de 40 anos, disse-me: Se existe algo que tira todas as nossas forças de louvar a Deus, é a dor de uma traição. Mas, Jesus louvou a Deus, mesmo sendo apunhalado pelas costas por um dos seus.
Sabia que seu corpo seria dilacerado e ferido, mas louvou a Deus (Mt 26:26-28). 
Ele tinha motivos para dizer aos seus: Cantem, eu estarei apenas ouvindo...Não posso cantar agora... – Mas, ao contrário, abriu seus lábios cumprindo o Salmo da Cruz, o Salmo 22.
Então, declararei o teu Nome aos meus irmãos, louvar-te-ei no meio da congregação. (Sl 22:22)


2. JESUS CANTOU NA NOITE DA ANGÚSTIA

2.1 Uma da lições da noite na Bíblia, é a da aflição e angústia


Jó 35:10 nos declara que Deus nos dá canções durante a noite: 
Almeida Revista e Corrigida: Onde está Deus, que me fez...Que dá salmos entre a noite...
Almeida Revista e Atualizada: Onde está Deus que me fez, que inspira canções de louvor durante a noite.
Nova Versão Internacional: Onde está Deus, o meu criador, que de noite faz surgirem canticos.
Sim, nosso Deus sempre nos inspira a cantar em meio a noite da aflição e da angústia. Assim sucedeu com Jesus, que mesmo na moenda do sofrimento tinha um hino a Deus em seu ser.
Salmo 42:8 Contudo, o Senhor mandará de dia a sua misericórdia, e de noite a sua canção estará comigo: a oração ao Deus da minha vida.
As canções que Deus nos faz cantar durante a noite da aflição tem o seguinte perfil:
a) São cheias de fé – Jó 13:15
b) São cheias de esperança – Jó 19:25,26
c) São cheias de adoração – Jó 1:20

2.2 Habacuque cantou na noite da escassez – Hc 3:17-19

Este cantico do profeta Habacuque, é um dos mais lindos da Bíblia. 
Primeiro porque revela a verdadeira Fé em Deus, a despeito de todas as contradições da vida e a falta de recursos básicos. 
Segundo, porque este cantico é desafiador, porque confronta a qualidade de nosso cristianismo. Será que podemos hoje diante das lutas e aflições, parafrasear Habacuque, e dizer: Ainda que fique me falte o emprego e o pão, ainda que não tenha dinheiro no bolso, ainda que me falte o teto, ainda que fique doente e vá até pra UTI, ainda que ninguém me ajude e me entendam a mão, ainda que a morte bata a porta de meu lar e leve um dos meus queridos, etc... Todavia, eu me alegrarei no Senhor e exultarei no Deus da minha Salvação.
A exemplo, temos o patriarca Jó, louvando diante da tragédia (Jó 1:13-22)

2.3 Paulo e Silas cantaram na noite da dor – At 16:23-31
Um louvor que fez a diferença:

a) Fez a diferença porque foi entoado na aflição. 

Atos 16:24, nos informa que Paulo e Silas foram jogados no cárcere interior (uma espécie de calabouço) e os pés presos no tronco; tudo isto, somado ao corpos, por certo, ensanguentados pelos açoites recebidos, que segundo descrição de Lucas, não foram poucos (At 16:22,23)

b) Fez a diferença porque teve a oração como base

Oravam e cantavam (At 16:25). Nosso louvor a Deus é eficaz, quando é regado pelo poder da oração (1 Ts 5:17)

c) Fez a diferença porque foi ouvido pelos presos que ali estavam (At 16:25)

Quanta gente escravizada sem Deus e sem esperança, anela em ouvir de nossas vidas – o cantico da Salvação (Sl 40:1-3)

d) Fez a diferença porque atraiu a Presença de Deus (At 16:26)

Aquele louvor não ficou somente dentro daquele carcere, mas subiu aos céus e tocou o coração de Deus. Em resposta, Deus manifesta naquele calabouço a sua Glória e Poder.
Se voce está vivenciando momentos difíceis de grande tribulação, comece a louvar a Deus, sem dúvida, Ele virá ao teu encontro, trazendo-te grande livramento.

3. O HINO QUE JESUS CANTOU E SUAS LIÇÕES

3.1 O Contexto histórico

Por ocasião da celebração da Páscoa, uma série de Salmos eram entoados do Saltério de Israel – do Salmo 113 ao Salmo 118, o Hallel, sendo que esta série de louvores eram cantados em duas partes: A primeira: durante a celebração pascal, se cantava o Salmo 114 e o 118. A segunda: os demais, O Salmo 113, 115, 116 e o 117 no encerramento da celebração.
Esta parte Jesus cantou com os seus discípulos, e em seguida, se dirige para o Jardim das Oliveiras, o Getsemani: E, tendo cantado o hino, saíram para o monte das Oliveiras (Mc 14:26)

3.2 O que Jesus cantou e suas lições

Ao cantar o Salmo 113, exaltou o Deus infinitamente grande, que habita nas alturas e que com amor, do pó levanta o pequeno e do monturo ergue o necessitado.
Ao cantar o Salmo 115, declarou que o Nosso Deus é o único Deus, e que os deuses feitos pelos homens nada podem fazer.
Ao cantar o Salmo 116, expressou seu profundo amor por Deus: Amo ao Senhor (Sl 116:1), publicando seu amor e gratidão pela sua gloriosa Salvação.
Ao cantar o Salmo 117, convida todos os povos da Terra para louvar ao Senhor, por sua benignidade e verdade que duram para sempre.

3.3 O que nos ensina Jesus com seu louvor

a) Nos ensina que na negra noite de aflição e dificuldades, o crente pode louvar a Deus. Pois, Ele próprio, louvou a Deus na noite de seu vitupério e sofrimento. Nenhum louvor é mais significativo do que este (Sl 130:1).

b) Nos ensina que o louvor a Deus tem o poder de nos fortalecer diante dos revezes da vida; lembremo-nos, que Abraão recebeu forças, porque decidiu louvar a Deus: ...mas foi fortificado na Fé, dando glória a Deus (Rm 4:20)

c) Nos ensina que o louvor a Deus precede a Vitória
Jesus foi ao cenário da dor, sangue e lágrimas com a alma de um adorador. Entrou louvando a Deus na arena de seus algoses cruéis. Sem dúvida, o louvor que havia cantado algumas horas antes, ainda estava em sua mente e coração, certamente lembrou-se do que cantara durante a celebração pascal, como por exemplo, o Salmo 118:
A pedra que os edificadores rejeitaram, tornou-se cabeça de esquina.
Foi o Senhor que fez isto, e é coisa maravilhosa aos nossos olhos.
Este é o dia que fez o Senhor, regozijemo-nos e alegremo-nos nele.
Oh, Salva Senhor, nós te pedimos; Oh Senhor, nós te pedimos, prospera!
Bendito Aquele que vem em Nome do Senhor; nós vos bendizemos desde a Casa do Senhor.
Deus é o Senhor que nos concede a luz; atai a vítima da festa com cordas e levai-a até aos angulos do altar. (Sl 118:22-27)
O Salmo 149:6, nos fala de duas armas indispensaveis para o bom soldado de Cristo: A Palavra de Deus e o Louvor a Deus – Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus e espada de dois fios, nas suas mãos (Sl 149:6)
Tomemos o exemplo do rei Josafá que desfrutou de portentosa vitória de Deus, obedeceu a Deus, colocando a frente do exército os cantores e musicistas louvando a Deus (2 Cr 20:1-30)

Conclusão:
Quando aqui as flores já fenecem
As do Céu começam a brilhar
Quando as esperanças desvanecem
O aflito crente vai orar.
Os mais belos hinos e poesias foram escritos em tribulação.
E do Céu, as lindas melodias, se ouviram na escuridão.
(Harpa Cristã, hino 126)


Pastor Marcos Antonio

Nenhum comentário: