domingo, 2 de outubro de 2011

NOSSA OFERTA DEVE TER A MARCA DA FÉ



A oferta que Deus aceita é aquela que é semeada com  

“E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, cem medidas, porque o Senhor o abençoava.” (Gn 26:12)
     Todo lavrador lança as suas sementes em sua terra, na esperança de uma promissora colheita.   “...Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra...” (Tg 5:7).          Qual é o lavrador que sai a semear sem objetivo ? Sem espectativa de uma boa colheita ?  Como dizendo: “Estou lançando a semente por lançar...brotando ou não...para mim tanto faz...não importa...” Nenhum lavrador procede assim.   Ao tomar a semente,  ele está vendo além daquela semente;  está vendo uma grande colheita.
 Nesta perspectiva bíblica devemos semear no Reino.
Vamos observar o texto da Palavra de Deus em João 6, onde podemos aprender tremendas lições sobre como semearmos com fé:


1.    SEMEAR COM FÉ SIGNIFICA  ESTAR PRONTO PARA SEMEAR  EM  TEMPOS DIFÍCEIS

1.1            A multidão estava cansada e faminta 
Eram pessoas vindas de todas as partes de Israel, que seguiam a Jesus pelos milagres que via. Uma multidão exaurida e com muita fome. Este foi o público alvo de um dos mais portentosos milagres realizados por Jesus – Jo 6:2


1.2                       O Evangelista Mateus informa que o lugar era deserto e a hora era avançada   
Estavam em um lugar sem recursos e a escuridão da noite campeava.    Hora difícil para socorrer todas aquelas pessoas cansadas e famintas.   Mas, Jesus fazia de cada dificuldade uma oportunidade para manifestar sua glória.  Sempre em meio às impossibilidades da vida, Jesus sempre em nosso caminho, revertendo nossa história e nos abrindo portas.
     Quando tudo nos parece perdido, Ele nos traz de volta a esperança.  Quando a crise e a carestia se instalam; monta-se o palco de seus prodigios e maravilhas.

1.3           Semear em tempos de prosperidade é uma facilidade para muitos. 
Quando não faltam condições, recursos.   Saúde pra dar e vender.  Conta bancária gorda.  Uma grande reserva guardada, etc...      Semear nesta hora, é importante.  Mas, o mais desafiador  é semear na hora da crise, quando nos faltam recursos.
     Ouvi de uma irmã que trabalhava como lavadeira, e boa parte do que ganhava, enviava para o sustento de  um missionário. Que lindo testemunho!

1.4  1 Rs 17 – A viúva da Zarefate semeou em tempo difícil:

Primeira verdade:  
Aprendemos com esta mulher de Deus um precioso paradoxo – Que quando semeamos em tempos de carestia, é semeadura em solo fertil
 Aquela mulher não era uma viúva rica, mas paupérrima em decorrencia da seca e da fome que havia em sua terra.
Imagino que ao ser ordenado por Deus para sair do Querite e ir para Zarefate, quando o Senhor lhe diz: - Eu ordenei ali que uma viúva te sustente.   Quem sabe ele pensou...deve ser uma viúva rica, uma fazendeira milionária, uma pecuarista e grande latifundiária....Esta viúva será sem dúvida, uma ofertante em potencial para o sustento de meu ministério.
 Mas, ao chegar em Sarepta, encontra alguém vivendo em extrema pobreza, que com seu filho estavam à espera da morte.
Faltar-nos-ia espaço para alinhar os muitos testemunhos de servos de Deus ao longo da História da Igreja, que deram de si e do que tinha a Deus nem momentos de carestia.
Certa vez recebí em minha casa um missionário boliviano.  O mesmo vivenciava naqueles dias, a falta de recursos.   Lembro-me que enquanto conversavamos, o Senhor falou comigo:
- Dê para o missionário, o paletó azul.
Esse paletó era uma espécie de filho único para mim.  Na mesma hora, respondi ao Senhor, dizendo de minha situação como obreiro, também vivendo em aperto naqueles dias.   Mas, a voz do Senhor foi muito forte em meu coração;  levantei-me, e fui pegar o paletó, tomei também uma camisa e uma gravata que combinava com o paletó, e dei ao missionário.
Após poucos dias, caminhando pelo centro da cidade encontrei um irmão de nome Alfredo (que  já dorme no Senhor), que me disse que Deus tinha lhe ordenado que me desse um terno.   Comprou do melhor tecido que escolhi e me levou no seu alfaiate.
Alguns dias depois, sou procurado pelo irmão Eliseu Brizola (esposo da cantora Mara Dalila), que tocado por Deus, me deu mais um terno, de um tecido lindo e finissimo.
Glorifiquei a Deus, que estava me ensinando a semear em tempos de dificuldade.   Pois, tal semeadura produz bençãos abundantes em nossa vida.

Segunda Verdade:    
Ela é desafiada a semear o pouco que tinha em tempos difíceis 
- O profeta Elias primeiro pede-lhe água, simultaneamente – ordena-lhe: Traga-me também um bocado de pão...
Esta mulher nos revela, que por maior que seja a crise que atravessamos, sempre temos alguma coisa para dar.
Tal fato nos reporta aos queridos crentes da Macedonia que foram desafiados a semearem no tempo da dificuldade: “Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedônia;   como em muita prova de tribulação, houve abundância do seu gozo, e como em sua profunda pobreza superabundou em riquezas da sua generosidade.   Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico)  e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente,   pedindo-nos como muitos rogos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos.”  (2 Co 8:1-4)
Os missionários pioneiros da Assembléia de Deus no Brasil, Gunnar Vingren e Daniel Berg, desde o chamado para o Brasil, aprenderam a semear  em tempos difíceis:
Sua história nos informa, que após terem recebido a direção de Deus para virem para o Brasil; precisamente para o Pará, segundo uma revelação divina que receberam;   não tinham nenhum recurso para virem ao Brasil.  O custo das duas passagens de navio, ficava em torno de noventa dólares.  Como os bolsos estavam vazios, foram buscar ao Senhor em oração.   Em seguida, providencialmente, recebem de uma igreja, a referida quantia.  Certo dia, Gunnar ouviu nitidamente a voz de Deus: “Se voces forem, nada vos faltará!”.     Dias depois, quando estavam em oração, novamente Gunnar ouve a voz do Senhor: “Estes noventa dólares, voces devem ofertar para um jornal pentecostal.”   A princípio, pareceu algo muito estranho,  porque era todo o dinheiro para a viagem missionária ao Brasil.   Mas, ao prosseguirem em oração, receberam a confirmação de Deus, de que deviam obedecer sem murmurar.   E, assim fizeram, ficando novamente de mãos vazias.    Ao chegarem em Nova York, enquanto caminhavam pelas avenidas da grande metrópole,  veio na direção deles um comerciante, que disse estar muito surpreso de encontrar Gunnar em Nova York (este irmão era um conhecido de Gunnar, que há tempos não o via).   O mesmo, disse que Deus havia lhe ordenado que enviasse uma oferta a Gunnar, e que estava indo exatamente ao correio para enviá-la.   Tomados de grande alegria, os dois missionários.  Ficaram mais impactados, quando ao abrirem o envelope recebido, encontraram noventa dólares.
         Compraram as passagens e rumaram para o campo missionário em nosso querido Brasil.
  
Terceira Verdade:   
Aprendemos que quando semeamos em tempos difíceis estamos honrando a Deus antes de tudo
Notemos que ela disse ao profeta: - Vou fazer um bolo para mim e para meu filho, vamos comer e depois vamos esperar a morte.
 - 1 Rs 17:13   E Elias lhe disse:   Não temas;  vai e faze conforme a tua palavra;  porém faze disso primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo para fora;  depois  farás para ti e para teu filho.”
 A primeira impressão que temos quando lemos este texto, é que o profeta foi mal educado e atrevido.   Não, isto não é verdade.   Consideremos, que Deus falava por Ele.  Aquela palavra desafiadora confrontava a fé da viúva.  Elias era o representante de Deus.  Era Deus falando por ele, com a seguinte mensagem: PRIMEIRO PARA MIM.      EU DEVO TER  PRIMAZIA EM TUA VIDA !

Quando semeamos assim – Colocando Deus em primeiro lugar – A benção acontece:     “A farinha da panela não se acabará e o azeite da botija não faltará.”, até ao dia em que o Senhor de chuva sobre a terra.”1 Rs 17:14


2.    SEMEAR  COM FÉ SIGNIFICA  CRER  QUE O SENHOR SABE TUDO, E FARÁ SEMPRE O MELHOR POR NÓS
Jo 6:5    Então Jesus levantando os olhos e vendo que uma grande multidão vinha ter com Ele, disse a Felipe:   Onde compraremos pão, para estes comerem ?”

2.1   Quando nós fazemos uma pergunta, normalmente é porque queremos aprender.   Mas, todas as vezes que o Senhor faz uma pergunta é para ensinar alguma importante lição:
Gn 3:8 – “Onde estás Adão ?” Não perguntou para saber onde Adão estava, mas, para chamar sua atenção para seu real estado de pecado.
1 Rs 19:9 – “Que fazes aqui Elias?” Não perguntou porque não sabia o que Elias estava fazendo naquela caverna,  mas, para lembrá-lo de sua chamada e que havia muito a fazer no Reino.
Lc 24:17 – “Que palavras são essas que, caminhado, trocais entre vós e por que estais tristes?”   Jesus não pergunta porque era desconhecedor dos fatos ocorridos;  mas, pergunta com santa ironia,  no propósito de mostrar-lhes a maior das verdades: De que havia ressuscitado dentre os mortos (Lc 24:26).

2.2  Neste caso aqui, Jesus pergunta para ensinar,  porque Ele tudo sabe:    “Mas dizia isto para o experimentar;  PORQUE ELE BEM SABIA O QUE HAVIA DE FAZER.”(Jo 6:6)
Durante as nossas provações, desafios e aflições, nós não sabemos, mas Ele sabe e cuida de nós, nos provendo e nos sustentando (Fp 4:19).
Pastoreei nos Estados Unidos por alguns anos.  Um querido irmão que trabalhava na região da Nova Inglaterra, levantava-se muito cedo todos os dias para trabalhar.   Certa manhã de intenso frio, quando caía muita neve, ele caminhava em direção ao seu trabalho.  Caminhava com dificuldade, pois sentia seu corpo literalmente congelar-se.  Enquanto ia, pensou:
- Senhor! Estou passando agora na frente desta cafeteria.  Seria tão bom, tomar um café quentinho...mas, estou sem dinheiro...
De repente, a porta da cafeteria se abre, e um americano que trazia em suas mãos, dois grandes copos de café  (e, quem conhece,  sabe que cafezinho de americano é de 300 ml para cima).   Olhou para o nosso irmão brasileiro e disse:
- Comprei dois cafés:  Um para mim, e este é para voce.
Na mesma hora, o querido irmão, após ter agradecido aquele desconhecido, louvou a Deus com lágrimas de gratidão.
Como é maravilhoso o cuidado de Deus para com seus filhos! 



3.    SEMEAR  COM FÉ SIGNIFICA   ENTREGAR  TUDO O  QUE TEMOS NAS MÃOS DO SENHOR
Jo 6:8,9     E um dos seus discípulos, André irmão de Simão Pedro, disse-lhe:   Está aqui um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas que é isso para tantos?”

     3.1  Primeiramente é digno de nota dizer  que  este rapaz  não foi  egoísta.
 Ele simplesmente poderia esconder o seu lanche e não dizer nada a ninguém.        Mas, este menino era generoso.  A generosidade deste menino era maior que a fome daquela gente.   O coração daquele menino era maior que a multidão de 5.000 homens (sem contar mulheres e crianças).
“E disse-lhes:  Acautelai-vos e guardai-vos da avareza;  porque a vida de qualquer não consiste na abundancia do que possui.” (Lc 12:15)
“Bem irá ao homem que se compadece, e empresta: disporá as suas cousas em juízo.     Na verdade que nunca será abalado:  o justo ficará em memória eterna.    Não temerá maus rumores:  o seu coração está firme, confiando no Senhor.     O seu coração, bem firmado, não temerá, até que ele veja cumprido o seu desejo sobre os seus inimigos.    É liberal, dá aos necessitados:   a sua justiça permanece para sempre, e a sua força se exaltará em glória.”  (Sl 112:5-9)

3.2   Não se pode semear com fé se formos avarentos, individualistas, egoístas.  Crente munheca de samambaia – não dá, mas também não recebe.
Certa vez, um crente avarento foi questionar com seu pastor, o caso da salvação do ladrão arrependido do Calvário:
- Pastor, eu não concordo com a idéia de entregar o dízimo.  Veja só,  aquele ladrão arrependido foi salvo e não entregou o dízimo.
O pastor tentava demove-lo de tal pensamento mesquinho, procurando ensiná-lo que era impossível para aquele ladrão,  ofertar ou dizimar;  pois, o mesmo estava pregado em uma cruz.
Mas, o avarento insistia em sua desastrosa convicção.    Em dado momento da conversa, o pastor olhou bem para ele e culminou dizendo:
- Meu irmão, existe aqui neste assunto uma diferença:   Aquele era um ladrão morrendo;  e, o irmão é um ladrão vivendo.
Costumo dizer que na mão do menino eram 5 pães, no entanto, nas mãos de Jesus se transformou em uma grande padaria.   Nas mãos do menino eram 2 peixinhos, mas, nas mãos de Jesus,  uma peixaria.
Experimente colocar o que voce tem nas mãos de Jesus, pois, coisas maravilhosas ocorrerão na tua vida.  Os egoístas e avarentos, veem a ruína como colheita de sua semeadura;  mas o cristão liberal, semeia na crise tudo o que tem, sempre na certeza de que lhe acompanha o milagre da provisão.
Na mão de Sansão era apenas uma queixada de jumento – Na mão de Deus virou uma bazuca poderosa.
Na mão de Davi era uma pedrinha – Na mão de Deus virou um míssil tele guiado.
Na mão de Dorcas era uma agulha – Na mão de Deus virou uma abençoada máquina Singer,  destas que costura, chuleia e prega botões.
Estamos dispostos a colocar tudo que somos e temos nas mãos do Senhor ?

4.    SEMEAR COM FÉ SIGNIFICA  DESCOBRIR  O MILAGRE  DA PARTILHA

Jo 6:11  E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os pelos discípulos,  e os discípulos, pelos que estavam assentados;  e igualmente também os peixes, quanto eles queriam.”

4.1  Semear com fé significa descobrir o milagre da partilha.                                      
     E qual é o milagre da partilha ?
     O milagre da partilha é a benção da multiplicação; e isto é algo extraordinariamente maravilhoso.
Jesus nos ensina, que não existe multiplicação sem partilha.  Se eu não reparto, nada se multiplica: “Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos darão;  porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo.” (Lc 6:38)
“E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu pelos discípulos,  e os discípulos pelos que estavam assentados;   e igualmente também os peixes,  quanto eles queriam.”(Jo 6:11)
O Milagre da  multiplicação não se deu em um só nomento em que Jesus partiu os pães e os peixes.  Porque se assim fosse;  imediatamente se teria feito uma verdadeira montanha de pães e peixes multiplicados.    Mas,  o milagre da multiplicação se deu cada vez que ocorria a partilha.
Primeiro:    Multiplicou na mão de Jesus ao repartir e dar aos discípulos.
Segundo:   Multiplicou na mão dos discípulos ao repartirem com os chefes de cada família.
Terceiro:  O milagre da multiplicação não parava, enquanto iam repartindo:  De pai para mãe,  de mãe para filhos,  de irmão para irmão,  de vizinho para vizinho, de amigo para amigo.
Quando praticarmos a graça da partilha, veremos o agir de Deus em nosso pão e em nossas finanças.
Se damos lugar à avareza, e não repartimos – o que temos é subtraído, e ficamos sem nada.   Mas, se damos lugar à graça da partilha, tudo o que temos é multiplicado para glória de Deus.

4.2  A viúva de Zarefate somente viu a multiplicação em sua casa, quando  repartiu o que tinha.  
     E ao repartir, o milagre aconteceu.  A multiplicação foi tão tremenda que por dois anos aproximadamente, ela ia na botija e tinha azeite;   ia na panela, e tinha farinha.  Maravilha! A Deus seja a glória!”.

Precioso é o testemunho de um irmão, que atravessava com sua familia dias difíceis de grande aperto financeiro.  No entanto, mesmo em meio à crise, nunca deixava de contribuir com o pouco que tinha.   Certo dia, recebe em sua casa a visita de diversos irmãos de sua igreja.
Sua esposa , muito desejosa de fazer café para todos os irmãos; ficou preocupada, porque só tinha, um pequeno pedaço de pão, que daria no máximo para duas pessoas.  No entanto, movida pela fé, orou por aquele pedaço de pão, e em seguida, começou a fatia-lo.  De repente, ela explode em línguas louvando a Deus;   seu esposo que estava na sala da casa atendendo aos irmãos – corre  para a cozinha com os irmãos,  para saberem o motivo do Pentecóste.  Ao chegarem, foram tomados de grande surpresa e alegria, ao verem um grande monte de pães fatiados; e a irmã prosseguindo a cortar,  e dizendo efusivamente:   O pão não acaba !  O pão não acaba !

Também não me esqueço do grande milagre vivido pelo querido irmão Borba, da cidade de Maringá.   Ele contou-me, que atravessava dias de aperto financeiro.  O gás da cozinha estava dando seus últimos  sinais de vida; quando a chama começa a fenecer.    Então, irmão Borba (como fazem muitos de nós brasileiros fazemos);   virou deitado o botijão de gás, e fez uma oração:    “Senhor, não tenho dinheiro para comprar outro botijão.  Tu sabes que precisamos cozinhar.  Tenha misericórdia. Tu sabes que sou dizimista,  opera este milagre !”
Passou um dia, dois dias, tres, quatro, cinco, seis,...E, sua esposa cozinhou (fazendo café, almoço e jantar) por trinta dias – e o botijão virado.
Quando um mes de milagre se completou, irmão Borba foi procurado por uma pessoa que lhe  devia boa soma de dinheiro.  Tal pessoa o pagou integralmente.  Ao  receber o dinheiro, nosso irmão ouviu nitidamente a voz do Senhor:
- Não tentarás ao Senhor teu Deus; vá comprar o gás !



5.    SEMEAR COM FÉ SIGNIFICA COLHER FRUTOS PARA O PRESENTE E TAMBÉM PARA O FUTURO
- Jo 6:12,13

5.1  Aquele milagre teve implicações para aquele dia e para o depois:
Naquele dia aquela grande multidão faminta foi saciada (Jo 6:12).  E doze cestos cheios sobraram, os quais o Senhor ordenou que fossem guardados. E ainda ensinou a eles, que o fato de sermos abençoados hoje, isto não deve nos conduzir ao desperdicio, mas, à previdencia.
Existem pessoas, que Deus está abençoando hoje, e estas bençãos apontam para dois sentidos:  presente e futuro.    Deus quer suprir-nos no presente, para que nada nos falte no futuro.  No entanto, o desperdiçador, joga fora a provisão de hoje, para passar fome amanhã.

5.2  O milagre da multiplicação do azeite em 2 Reis 4, revela-nos que Deus abençoa o nosso presente e garante o nosso futuro:
 Este milagre experimentado pela viúva no tempo do profeta Eliseu, cujo milagre, abençoou o presente e garantiu o futuro dela e de seus dois filhos.  Com a multiplicação do azeite,  ela pode pagar todas as dívidas;  e em ato contínuo da benção,   Deus cria uma espécie de aposentadoria para aquela serva de Deus.
O Deus da multiplicação, é também o Deus da previdencia social. “Então, veio ela e o fez saber ao homem de Deus; e disse ele:  Vai, vende o azeite e paga a tua dívida; e tu e teus filhos vivei do resto.” (1 Rs 4:7)

Há crentes que ainda não foram ricamente abençoados, porque a avareza os impede de repartirem.  E, em não repartindo não experimentam a provisão e a multiplicação em sua casa e em suas finanças. 
A ordem da Palavra é repartir:  “Lança o teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás.    Reparte, com sete e ainda até com oito,  porque não sabes que mal haverá sobre a terra.”
Não sejamos crentes avarentos, que se assemelham  ao Mar Morto, que nada dá, nada gera, nada produz. Tais crentes são assim,  porque estão espiritualmente mortos, e mortos não geram.
O Mar Morto está situado a 408 metros abaixo do nível do mar, e, é o mais baixo reservatório de água do mundo e também o mais salgado, com sete vezes mais sal que os oceanos.  Recebe diurtunamente muita água doce, mas continua sempre salgado.
O Mar morto, representa muitos crentes da mão fechada, que recebem constantemente o favor de Deus, mas, jamais abrem sua mão para ajudar a Obra de Deus ou mesmo socorrer o necessitado.
Mas, que sejamos crentes cheios de fé;  investidores no Reino e semeadores em potencial para glória de Deus.
Isaque pode desfrutar das bençãos de Deus, porque era um semeador que semeava com fé.  Notemos o que a Palavra nos diz:
“E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, cem medidas, porque o Senhor o abençoava.” (Gn 26:12)
 Notemos algumas importantes lições neste texto bíblico:

Primeira:      A determinação para semear:
“E semeou Isaque”
Há muitos que guardam a semente ou comem a semente, e por isso não semeiam no Reino; portanto, nada colhem.

Segunda:  A terra certa para semear:  
“E semeou Isaque naquela mesma terra...”
Uma colheita certa depende de uma terra certa.  Jesus nos ensina na famosa parábola do semeador que a semente que frutifica é aquela que é semeada em boa terra (Mt 13:8).
Existem crente que deixa de semear onde se congregam, deixa de semear onde é pastoreado.  Enviam o seu dízimo para outras partes (o que está errado;  dízimo deve ser entregue onde se congrega).
Não nos esqueçamos que  “semeou Isaque naquela mesma terra...”

Terceira:     A colheita certa: 
“...e colheu...” 
A lei da semeadura é divina, e por ser divina é certa.  
“...tudo o que o homem semear, isto, ceifará.” (Gl 6:7)
“E digo isto:  Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundancia,  em abundancia também ceifará.” (2 Co 9:6)

Quarto:    O tempo da colheita:
“...e colheu naquele mesmo ano...”
Nós determinamos o tempo de semeadura, e Deus, o tempo da colheita.
“E não nos cansemos de fazer o bem,  porque a seu tempo ceifaremos,  se não houvermos desfalecido.”  (Gl 6:9)

Quinta:    A colheita abundante
“...e colheu, naquele mesmo ano, cem medidas, porque o Senhor o abençoava.”
“Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para comer também multiplicará a vossa sementeira, e aumentará os frutos da vossa justiça.
Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficencia, a qual faz  que por nós, se deem graças a Deus.”  (2 Co 9:10,11)

Pastor Marcos Antonio

Nenhum comentário: